Encontrando a calma

Michelle estava isolada no país, presa em um relacionamento fracassado e estava com depressão. Então, seu bebê foi diagnosticado com câncer. Em meio a essas experiências traumáticas, ela tomou uma decisão pela paz, mudou a sua vida e encontrou a Ascensão - uma técnica que permitiu a ela ficar calma, "respirar com facilidade" e encontrar o amor internamente. Esta é a história dela.

Neste artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Eu morava em um lugar muito remoto no extremo norte da Nova Zelândia - uma área rural, longe de tudo e de todos, sem telefone, sem meus amigos e sem apoio familiar. Eu cresci em Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia, mas me mudei para o campo para ficar com meu companheiro.

    O relacionamento não estava bom. Meu companheiro não parecia se importar comigo ou com minhas necessidades, ele começou a beber e me culpava por tudo. Eu estava em casa com duas filhas pequenas e, meu companheiro não me apoiava. O lugar onde morávamos era muito remoto - não havia trilhas para pedestres e havia pessoas perigosas na vizinhança. Ele não me dava dinheiro para comprar gasolina, então eu não podia sair de casa, sair para dar um passeio para espairecer ou tomar um café. Então me sentia presa e não conseguia ver nenhuma saída.

    Encontrando a Calma

    Um bebê com câncer

    Quando ela tinha pouco menos de seis meses, minha filha, Winsome, apareceu com  um olho roxo. Achei que ela talvez tivesse recebido um golpe da irmã, mas não parecia melhorar. Fui ao médico e ele nos aconselhou a aguardar a chegada de um especialista ao bairro.

    Cerca de um mês depois, ela desenvolveu um segundo olho roxo e não conseguia mamar. Eu a levei para o hospital local e eles me disseram para levá-la para casa e dar analgésicos para ela. Mas eu sabia que ela estava muito doente, não iria levá-la para casa. Então, dirigi por duas horas até outro hospital. Eles me disseram que ela tinha um tumor enorme no estômago e os olhos arroxeados eram sinais de um câncer chamado neuroblastoma.

    Finding Calm with meditation

    A vida mudou dramaticamente. Fomos levados para um hospital infantil em Auckland e fiquei alguns meses sem voltar para casa. Minha filha acabou fazendo quatro sequências de quimioterapia em um período de dois anos e uma operação para remover o tumor.

    Todas as manhãs eu me levantava, colocava minha maquiagem e tentava me manter durante o dia - mas eu estava reprimindo tudo. Você está arrasado. Sua filha foi diagnosticada com câncer e você não sabe o que vai acontecer, você não sabe se ela vai sobreviver ou não. Há muitas emoções, muita culpa em si mesma. Eu estava tentando gerenciar tudo isso sem nenhuma ferramenta, sem nenhuma ajuda ou suporte.

    Foi também a primeira vez que fiquei longe da minha filha mais velha, Marvellous, que tinha dois anos e meio na época. Ela ficou com o pai enquanto eu estava no hospital com Winsome. Ficamos seis semanas sem nos ver. Foi muito difícil para nós duas - infelizmente ela se sentiu abandonada, ela sentiu que eu a deixei.

    A situação também levou meu parceiro ao limite - ele teve um colapso mental. Então apesar de ser uma criança que estivesse com câncer, a devastação atingiu toda a nossa família.

    Reconectando

    Embora as coisas tenham sido muito difíceis, também houve alguns aspectos positivos. Winsome e eu realmente ficamos muito ligadas uma à outra  no hospital. Ela era o bebê mais feliz da enfermaria de oncologia. O tempo todo ela estava sorrindo, ela estava feliz, ela era essa alma linda. Eu realmente acreditava que ela ficaria bem.

    E enquanto ela estava no hospital na cidade, também me deu a oportunidade de me reconectar com minha rede de apoio. Eu tinha estado tão longe da cidade que meus amigos não podiam facilmente vir me ver, e mesmo quando eles me visitavam, eu não sentia que poderia contar a eles o quão infeliz eu estava. Estar em Auckland reavivou totalmente essa rede, e eu não a soltei mais depois disso.

    Eu não tinha deixado meu parceiro porque minha mente ficava me dizendo que ser mãe sozinha era a pior coisa do mundo - ninguém vai querer você, ninguém vai te amar, ninguém vai querer seus filhos, blá, blá, blá. Ela faz este tipo de jogo com você.

    Ser mãe sozinha era meu pior medo. Minha mãe também foi a única cuidadora dos filhos e ficava muito infeliz e deprimida na maior parte do tempo. Minha mente ficava me dizendo que uma família tinha que ser a mãe, o pai e os filhos. Meu sonho era ser amada e ter uma família. Se eu fosse embora, pensei que seria a culpada por não ter dado certo.

    Mas o fato de Winsome estar doente me fez ver o que era importante. Eu precisava cuidar de mim mesma e de meus filhos. Mesmo se eu não tivesse dinheiro, eu poderia ficar com os pés no chão e dar amor a eles. Portanto, houve uma mudança dentro de mim. Eu vi que nada poderia ser pior do que onde estávamos. Como a saúde de Winsome melhorou, tomei a decisão de deixar o relacionamento.

    Tenho uma memória muito clara de quando olhei pela janela do andar superior da casa e desabei. Eu estava chorando, olhando para as colinas, pensando “Esta não é a minha vida. Minha vida é maior e mais importante do que isso.” Eu sabia então que iria embora e levaria minhas meninas comigo. Eu não sabia para onde estávamos indo. Mas eu senti que tudo ia ficar bem. Difícil, mas bem.

    Então, consegui um apoio financeiro e encontrei uma casa. Saí de casa com minhas filhas e $ 17 no banco e um pouquinho de dinheiro no bolso.

    Finding Calm 04

    A escolha pela paz

    Após essa mudança, coisas bonitas começaram a acontecer. Comecei a me sintonizar comigo mesma e a me cuidar. Comecei a me exercitar, a fazer ioga e a tentar encontrar qualquer coisa que me acalmasse por dentro. A vida ainda era louca e agitada. Eu estava constantemente fazendo malabarismos sendo uma mãe sozinha, e era fácil me deixar levar pela intensidade e pela responsabilidade disso. Eu queria ser uma mãe calma, porque a partir de um lugar de calma, você pode lidar com tudo. Pela primeira vez em muito tempo, eu estava feliz e aberta para tudo o que a vida iria apresentar.

     

    Entrando na Ascensão

    Não demorou muito para que alguém me presenteasse com um curso de Primeira Esfera da Ascensão, porque eles podiam ver que havia algo em mim - que eu estava querendo e precisando disso. Todo o trauma me levou ao ponto onde eu estava pronta para a mudança, pronto para receber os Ishayas e a Ascensão em minha vida.

    “Para qualquer pessoa que esteja passando por alguma doença ou trauma, esta prática pode ser muito benéfica para aliviar e equilibrar essa carga pesada.” - Michelle

    No momento em que entrei no curso, eu soube que ele iria mudar minha vida. Mesmo antes de aprender as técnicas de Ascensão, eu apenas sentia a presença, a abertura, o acolhimento e a compreensão das pessoas que já tinham isso em suas vidas. Eu tinha acabado de conhecer os Ishayas, mas eles me amavam, cuidavam de mim e estavam abertos para mim. Eu senti como se tivesse voltado para casa.

    E as técnicas eram tão fáceis. Eu não conseguia acreditar como eles eram fáceis; foi louco. Eles eram tão simples e o impacto foi tão instantâneo. Isso me surpreendeu. Comecei a Ascender todos os dias a partir do momento em que aprendi. E, todos os dias, me descobri me abrindo para coisas lindas que antes não existiam.

    Consegui ficar calma, com os pés no chão e não acreditar em tudo que minha mente estava tentando me dizer. Eu me senti fortalecida, confiante e positiva. Então realmente foi uma bela mudança. Eu apenas me encontrava sentada e observando minha experiência se expandir.

    Percebendo as mudanças

    Recebi a confirmação de que o câncer da minha filha estava em remissão. Com este câncer em particular, se ele não tiver retornado três anos após a última sessão de quimioterapia, ele não voltará. Isso foi há um ano e meio.

    A Ascensão me tornou uma mãe melhor. Em vez de ficar de cabeça baixa, tropeçando na vida, às vezes sendo reativa, consigo me divertir com as coisas, me divertir com minhas filhas. Posso me soltar de toda responsabilidade e tagarelice mental.

    Quando medito na presença de meus filhos, noto uma mudança dentro de mim. As técnicas de Ascensão são calmantes. Eu sou menos reativa. Posso sentar lá e sentir a mudança e permitir que a situação se desenrole em vez de tentar controlá-la. Porque, como mãe, é isso que eu naturalmente tentaria fazer - controlar a situação.

    Posso deixar o passado para trás com mais facilidade. Quando você passa por uma experiência traumática como pai ou mãe, a mente continua pensando nisso. Mesmo que Winsome esteja saudável agora, isso não impede a mente de reviver os momentos e te levar para baixo num caminho escuro. A meditação ajudou muito com isso. É como descarregar uma mochila ou dissolver a grande nuvem em torno desse período de tempo. Como mãe, tem sido muito, muito útil.

    Também me permitiu ser mais gentil comigo mesma, ao me dar ferramentas para desligar minha mente.

    Eu me valorizo ​​mais. Eu me levanto cedo e medito antes que meus filhos acordem. Isso me coloca em um espaço calmo para começar o dia.

    Então, durante o resto do dia, eu Ascendo sempre que posso. Mesmo se eu não puder fazer uma meditação de 20 minutos, posso usar as técnicas com os olhos abertos. Porque se eu ficar calma, tudo muda. É um conjunto de ferramentas simples e que te fortalecem que me ajudaram a ser uma mãe melhor. É poderoso ter uma ferramenta para equilibrar esse monólogo interno. Para quem está passando por alguma doença ou trauma, esta prática pode beneficiá-los muito para aliviar e equilibrar essa carga pesada.

    finding Calm 06

    Lidando com os desafios

    Claro que ainda existem desafios. A vida lança desafios para você. É como você responde a eles que faz a diferença. Winsome precisa passar por exames anuais para controlar os efeitos contínuos da quimioterapia. Mas em geral ela está bem. Há algo especial sobre ela - ela é amorosa, ela é divertida, ela é muito carismática e se conecta facilmente com as pessoas, ela é uma alma velha . Parte de mim diz que ela é uma pequena guerreira, e parte de mim diz que ela é um anjo. Eu realmente sinto que ela me salvou, como eu a salvei.

    Para minha filha mais velha, Marvellous, as coisas podem ser desafiadoras. Existe um pouco de ciúme e competição. Quando uma criança está doente, os irmãos se sentem excluídos, a atenção vai para a criança que não está bem e o irmão é posto de lado. Ela pergunta 'por que você me deixou, mãe?' Eu entendo por que ela está chateada, isso me entristece profundamente e, ao mesmo tempo, também pode desencadear minhas próprias experiências daquela época. Eu queria contar tudo a ela para que ela pudesse entender o quanto me doía estar longe dela, como sua irmã estava mortalmente doente e como eu tive que fazer o que precisava ser feito. Infelizmente, ela ainda é muito criança para entender a magnitude da situação.

    A Ascensão me ajudou com isso. Ela me deu um lugar de paz e calma para que eu pudesse responder e não reagir à minha filha, eu posso criar um espaço seguro para conversarmos. Posso sair da minha própria experiência e responder à dor que minha filha está sentindo e reassegurá-la de que está tudo bem; é normal ficar chateado e é maravilhoso poder falar sobre isso.

    Portanto, agora tenho uma abordagem diferente para os desafios. Estou aprendendo e continuarei aprendendo com cada experiência. Isso muda tudo. Ascender mudou meu relacionamento com o mundo ao meu redor. Estou começando a ver que tudo vem de dentro e se estende para fora.

     

    Eu estava tão sozinha e agora eu tenho uma rede composta de pessoas simplesmente incríveis e cheias de amor, e que, sem dúvida, estarão lá se você precisar. Agora estou em um relacionamento feliz e saudável. Eu administro um pequeno negócio doméstico. Estou na Associação de Pais e Mestres da escola e me envolvo com a comunidade sempre que posso. E eu organizo reuniões mensais da Ascensão em minha casa. Minha vida mudou muito. Todas essas coisas lindas estão vindo para mim - toda essa bondade e amor que eu não via ou sentia antes.

    Quando penso em uma técnica de Ascensão agora, o que experimento é amor e calma. Tudo vai ficar bem. É assim que me sinto quando digo a atitude em minha mente. Vai ficar tudo bem e posso respirar com facilidade.

    Scroll to Top