A Paz ou a Dor – O Você Que Não Está Quebrado

Neste artigo
    Add a header to begin generating the table of contents

    Fiquei surpresa quando ouvi pela primeira vez que havia uma escolha entre a paz e a dor em todos os momentos. Eu vivia com dores crônicas há décadas, então isso era novidade para mim e, a princípio, era completamente inacreditável. No entanto, a pessoa que sugeriu essa possibilidade claramente tinha uma compreensão e uma experiência de dor muito além da minha. Eu também estava um pouco curiosa, então decidi ficar aberta a essa ideia e explorar o que realmente era possível.

    Eu já tinha vivenciado alguma experiência com um aparelho de TENS (estimulação nervosa elétrica transcutânea), então entendi o conceito de dor como um sinal para o cérebro. Quando o dispositivo foi envolto diretamente sobre a área de dor no meu corpo, o sinal para o cérebro foi interrompido e a dor cessou por um tempo. Claro, só funcionou enquanto a máquina estava operando; no resto do tempo, a dor voltou e sofri mais uma vez.

    Eu também tive uma experiência surpreendente tocando um tambor de couro de búfalo que comprei depois de participar de um workshop xamânico. Tocá-lo me pareceu calmante e relaxante. Depois de um tempo, porém, meu braço começou a doer (o tambor tinha 56 centímetros e era bem pesado), então mudei de posição e virei o tambor na minha direção. Instantaneamente, ondas de vibração tomaram conta de mim e a dor desapareceu. No lugar da dor, experimentei uma sensação agradável e calmante que parecia divina.

    Em ambos os casos, o alívio da dor exigiu alguma atividade. Você não pode tocar tambor o dia todo; depois de um tempo, a máquina de TENS começou a irritar minha pele. Eu estava, portanto, ansiosa para explorar outras opções que poderiam ser mais sustentáveis.

    Paz ou Dor

    A Possibilidade de uma Escolha

    Eu já sabia que técnicas de meditação poderiam ter um impacto profundo em nossa saúde e nos níveis de estresse. Eu tinha lido estudos mostrando que as práticas de meditação que utilizavam atenção e foco podiam mudar o estado de nossa mente e ser muito úteis no controle e alívio da dor. Eu queria uma ferramenta como essa e queria esse tipo de resultado!

    Meu desejo por uma prática de meditação efetiva me levou a me inscrever em um retiro com os Ishayas do The Bright Path. Foi aqui que ouvi pela primeira vez sobre a possibilidade de uma escolha entre a paz e a dor. O curso ensinou uma prática de meditação conhecida como Ascensão. Apesar de ter algumas semelhanças com a meditação mindfulness (da atenção plena), a Ascensão vai muito mais profundo.

    “Quando você começa a se aproximar do seu corpo com curiosidade em vez de medo, tudo muda. ” - Bessel A. van der Kolk

    A Dor Ataca Novamente

    Inicialmente, eu era capaz de me envolver com o programa diário de atividades com um nível de dor muito baixo. Então, um dia, acordei com uma crise da minha doença pélvica. Agora não era apenas difícil, mas também doloroso para andar. Fiquei arrasada, mas continuei mesmo assim. O que mais eu poderia fazer?

    Lá estava eu, parada no início de um longo caminho sinuoso que subia a encosta do local do retiro, e parecia mais longo e mais íngreme do que o normal. Respirei fundo e comecei a caminhar lentamente subindo pelo caminho. Foi um trabalho árduo e muito doloroso. Fiquei cansada rapidamente e lutei para continuar. Uma determinação teimosa surgiu dentro de mim, e continuei avançando e subindo, tentando ignorar a dor.

    Acabei chegando ao topo, recusando todas as ofertas de ajuda no caminho. Sentei-me em uma parede baixa perto do topo do caminho e chorei em absoluta devastação e desespero. Achei que tinha superado esse alto nível de dor e deficiência, e a crise me abalou profundamente. Eu simplesmente não conseguia passar por isso de novo. Os pensamentos giravam em minha cabeça. Pensamentos de como eu lidaria com a locomoção pelo ambiente do retiro; quanto tempo a crise duraria. Talvez eu tivesse que ir embora? Esta é apenas a vida que eu teria que viver para sempre? Eu estava com raiva e frustrada e não queria passar por isso novamente.

    Meditação e dor

    Você Sempre tem uma Escolha entre a Paz ou a Dor

    Então, do nada, outro pensamento fluiu pela minha mente. Uma memória do que um dos professores da Ascensão havia falado alguns dias antes desta crise: “Você sempre tem uma escolha entre a paz ou a dor”. Isso interrompeu todos os outros pensamentos e eu apenas fiquei sentada em silêncio por um momento. Então eu me peguei declarando veementemente: "Bem, se há uma escolha ... Eu escolho a paz!" Foi uma declaração imensa que senti em cada célula do meu corpo e tudo o que restou foi paz: paz infinita e abrangente. Todos os pensamentos desapareceram.

    Levantei-me com facilidade e graça e calmamente entrei na sala de reuniões, sentei-me e fechei os olhos. O que se seguiu foi uma experiência bela, contínua, profunda, gentil, serena e intensa de paz. Foi também uma experiência estável que permaneceu comigo por várias horas. Então ela diminuiu e fluiu enquanto eu dançava entre a paz e a dor. Eventualmente, a dor começou novamente, e eu lutei mais uma vez.

    Desta vez, porém, tive a lembrança de minha experiência para me fortalecer quando as coisas pareciam difíceis e frustrantes. Minha abordagem mudou e o mundo se abriu para me apoiar. Ofertas de ajuda inundaram de todas as direções. O apoio que recebi foi além de qualquer coisa que eu pudesse imaginar - uma cinta de suporte, um bastão de caminhada, uma sessão de cura e uma massagem. A maior surpresa de todas foi a oferta de ajuda de uma fisioterapeuta que havia, alguns meses antes, concluído um curso da exata condição de saúde que eu tinha. Foi-me mostrado como andar com mais facilidade e eficiência com o bastão de caminhada e recebi tratamentos regulares com exercícios para aumentar minha força central sem comprometer meu corpo.

    “Profundamente dentro do coração existe uma quietude que é cura, uma confiança nas leis universais que é inabalável, e uma força que é como uma rocha. Mas porque é tão profunda, precisamos tanto de paciência quanto de perseverança quando buscamos por ela. ” - Paul Brunton

    03. Meditação e dor _ Final

    O Espaço Interior Quieto e Silencioso

    Minha jornada de explorar a escolha entre a paz e a dor estava apenas começando, e não terminou com meu corpo físico. Minha relação com meus pensamentos, emoções, sons, outras pessoas e muito mais mudou e continuou a mudar. Dia a dia, semana a semana, tudo mudou para melhor, não porque eu estivesse tentando mudar alguma coisa, mas porque me tornei cada vez mais consciente do espaço quieto e silencioso de pura paz interior autêntica.

    Este é o você não-quebrado, o você real, o ser quieto e silencioso. Quando você se torna consciente e atento a essa quietude, esse silêncio, esse espaço de paz e amor incondicional, sua percepção consciente disso se expande para se tornar mais familiar e mais estável. Esta é a fundação para a cura. Quando você está em contato com essa parte de você, tudo que você precisa vem até você. Não há mais procura; não há mais tentativa de curar ou consertar seu corpo, domar suas emoções ou parar seus pensamentos.

    Eu descobri que tudo o que havia aprendido na vida até agora estava ao contrário. Eu estava tentando chegar à paz, me curar e tornar a vida melhor. Quando o tempo todo a paz estava disponível agora, tudo que eu precisava fazer era prestar atenção, e o resto estava sendo cuidado. A paz tornou-se aparente e a vida ficou mais fácil, mais gentil, e muito mais agradável.

    A paz ou a dor é uma escolha; tudo que você precisa fazer é aprender a fazer essa escolha.

    Scroll to Top