Sério, a vida não é séria

Desde que aprendi a Ascensão, a técnica ensinada pelos Ishayas do The Bright Path, não levar a vida muito a sério tornou-se um jogo. Há aspectos da minha vida em que a tensão e o estresse assumem o controle, principalmente nos relacionamentos.

Tem sido uma jornada de descoberta de coisas incríveis e o que eu mais gosto é que a seriedade não tem sido necessária!

Espero que minha experiência seja de alguma forma útil e ajude você em sua jornada.

A vida séria

Não sei exatamente quando comecei a perceber que a maioria dos adultos ao meu redor estava estressada e preocupada. A alegria parecia não fazer mais parte do seu dia-a-dia.

Talvez se permitissem divertir nos finais de semana, quando finalmente descansavam e relaxavam, embora eu visse que o álcool desempenhava um papel essencial em ocasiões ou horas intermináveis ​​assistindo à TV.

Todos voltavam a agir sérios, sabendo o que estava por vir para a semana no domingo à noite. Queixas mal-humoradas e frustração era o que eu percebia e entendia como ser um "adulto responsável normal". Eu estava errada.

Meu respeito e admiração por esses adultos permanecem intactos, mas ter um vislumbre de como é viver no mundo adulto limita o prazer da vida e é muito pouco atraente. Esses mesmos adultos aprenderam o mesmo quando jovens, totalmente inconscientes de como estavam perpetuando os mesmos padrões de comportamento.

Sério 02

Quando tudo era importante

E assim eu cresci tornando muito importante as coisas que um adulto dá importância: trabalhar, cuidar dos outros, saúde, segurança, ganhar bastante dinheiro, aquisição de bens, o futuro e pouco a pouco a alegria e a espontaneidade começaram a desaparecer.

Eu costumava pensar: "Sim", estou indo na direção certa! Estou ficando adulta." E ao mesmo tempo meu coração estava se fechando, "minhas" coisas e "minha" vida se tornaram mais importantes do que as dos outros, e um pouco mais de neurose ficou preso no meu sistema nervoso.

Essas ações se traduzem em tornar-se mais reativa, na defensiva e em constante correria. Tudo o que eu fazia ou dizia parecia ter um selo de "adulto responsável no comando", desde preparar minha comida até fazer meu trabalho.

Responsabilidade = Seriedade. Com toda a honestidade, eu me senti amarga em algum momento e nem mesmo tinha 30 anos!

Encontrando a Ascensão

Minha mãe já havia aprendido a meditar alguns anos atrás com uma ferramenta ensinada pelos monges Ishayas chamada: Ascensão.

Mesmo quando eu estava criticando minha mãe por passar horas sentada sem fazer nada (foi o que eu vi), uma parte de mim reconhecia que ela era o ser mais amoroso e pacífico que eu tinha perto de mim. Ela sempre me amou, não importava o quê e estava tão disposta a me ajudar pacientemente. Ela encarnava um tipo de presença que eu não sabia como descrever, mas que eu ansiava por ter há muito tempo.

Eu tive tanta resistência em aprender a Ascensão, mas a vida virou de cabeça para baixo por algum tempo que eu sabia que tinha que fazer alguma coisa. A montanha-russa da minha mente estava me tirando a alegria de viver. Eu queria estabilidade e um pouco mais de calma.

Então, eu aprendi a Ascensão. Francamente, eu não acreditava em nada que os professores compartilhavam comigo. Os professores pareciam exagerar as coisas e me pareciam um pouco hippies, mas eu precisava mudar, então comecei a usar a Ascensão para testá-la.

Notei mudanças desde os primeiros dias. Eu não estava mais reagindo. Eu me senti mais flexível e disposta a ouvir. A vida parecia mais fluída e sem esforço.

Sério 04

O melhor conselho para a minha vida

Não muito tempo depois de aprender a Ascensão, participei de uma conferência organizada por um Professor Ishaya e ele disse: Se você quer ter uma vida alegre, sugiro que faça o seguinte:

"Leve um pouco menos a sério cada dia da sua vida, especialmente você mesmo."

A percepção de que a seriedade não era necessária, e que era apenas algo que eu havia aprendido, me chocou. Foi uma grande liberação ver isso. Percebi, que ao ascender, eu estava me colocando em um lugar de menor "autoimportância" e que estamos todos conectados a partir de um lugar de paz, harmonia, fluidez e uma aceitação natural do que é.

Foi aí que a jornada começou. Comecei a mudar meu relacionamento com uma mente que é ilimitada. Foi então que decidi levar esse conselho mais a sério!

Brincadeira, exploração e descobertas

Desde o primeiro dia, fiquei fascinada por todas as minhas descobertas. Vi que toda seriedade está ligada a levar as coisas muito para o lado pessoal. Essas coisas que são importantes para nós parecem nos definir, aquelas coisas em que investimos muito tempo e energia. Para mim: música, ser professora, meu caminho espiritual, ser irmã, amiga e principalmente ser uma parceira.

Há um grande contraste quando me sinto contraída. É um desafio ver humor nas situações. Sentia vontade de fugir, não querendo falar, sentindo rejeição ou resistência e estando menos presente. O convite é continuar jogando.

Rir mais de mim a cada dia no meio do caos é impressionante! Leveza e liberdade revelam-se instantaneamente. Há prazer e uma conexão profunda com tudo ao meu redor.

Hoje o contraste é um dos meus melhores aliados para tomar consciência quando estou levando algo muito pessoal. E é fantástico, que usar a Ascensão, seja a maneira natural e direta de retornar àquele lugar onde experimento a união, onde tudo o que eu pensava ser essencial se dissolve. Há um espaço imenso para ser e deixar ser o que deve ser.

O conselho sobre viver com mais alegria foi um dos melhores conselhos que já recebi, e desejo o mesmo para você. Espero que este seja um convite amoroso para explorar, brincar e descobrir como a vida pode ser, para você, se decidir deixar de lado a seriedade.

Sério 05
Rolar para cima